Pesquisar este blog

13 de outubro de 2014

Porta da Saudade


PORTA DA SAUDADE

Na porta da saudade tinha ninguém,
Até que se foi alguém
E naquela porta vazia
Alguém habitaria.
(habitou)

Assim são os anos,
Sempre um novo alguém
A habitar este lugar, 
Portas da saudade
"Alguéns" num vai e vem 
Pessoas a  passar
De algum lugar para cá
E de cá para onde a falta as fará estar.

Magnus 13/10/2014

10 de outubro de 2014

O QUE SE TEM


O QUE SE TEM

Não se pode viver
Em função do que vem
Há que se viver
Com o que se tem

Se tem amor
Se o amor te tem
Se tem alguém
Se não é refém
Do dia que vem
Se fica bem
Sem ninguém


Se a vida é
O que devia
Ser hoje em dia
Ou se não é
O que teria
Sonhado um dia,

O que importa?

Alguém, em algum lugar
Disse que é este tempo
Que nos foi dado estar
É o que temos para viver.
Então vivamos, pois viver, afinal,
É o melhor que temos a fazer.

Magnus 10/10/2014

8 de outubro de 2014

A MENINA

A MENINA

Lá 

Onde o céu termina,
A luz da manhã ilumina, 
Na rosa dos ventos,
 “Y en las tierras” vizinhas


Onde dobra a imaginação,
Na "icognitude" de uma esquina
Na moradia da inspiração
Estão os sonhos de uma menina

O tempo segue
A menina cresce
E o sonho há tanto sonhado
Há tanto guardado
Nunca desaparece
Está lá onde
A lua se esconde
Ou o sol nasce.

Está lá por traz de um monte
Depois da pedra no caminho
E em tudo que há
Pra lá do horizonte.
Está lá, em qualquer direção
Além do que se pode olhar
E dentro do coração.

Está
Lá 

Onde o céu termina,
A luz da manhã ilumina, 
Na rosa dos ventos,
 “Y en las tierras” vizinhas


Magnus

08/10/2014

4 de outubro de 2014

CANÇÃO DE CHE


Canção de Che
(e minha também)

Luto por quem não sabe
Que por ele luto,
Luto por quem acha
Que é vão o lutar
Luto por quem ignora
Que o caminho é lutar
Luto por quem vive
E por quem nasceu de luto.

Luto por meu amigo
E por quem se acha meu inimigo
Luto por quem crê na luta
E por quem acha que é loucura

Luto porque consigo enxergar
O que o cegos não vêem
Então luto por tanta gente
Por eles e contra eles também
Contra a cegueira que corrompe a alma
E faz o ódio se alimentar
Luto, quase sozinho
Porque nasci com a pecha e o dom de lutar.

Luto porque alguém tem que continuar.

Magnus
04/10/2014

Marcadores